Servidores de Chapecó entram em greve


Mais de 500 trabalhadores aderiram ao movimento.

Fonte: http://www.sitespmchr.org.br

O dia 14 e março de 2012 foi histórico para os servidores municipais de Chapecó. Foi a primeira greve da categoria desde1993, com a adesão de mais de 500 trabalhadores.

A mobilização iniciou às 8 horas na Praça Coronel Bertaso. Nela, foi eleita uma coordenação de greve com 14 pessoas, tendo representantes de todos os setores da prefeitura. Em seguida, as manifestações seguiram com caminhada pela Avenida Getúlio Vargas, quando os servidores distribuíram material informativo à população, no qual apresentam os motivos que os levaram à greve.

De tarde, os trabalhadores concentram-se no Portal da Prefeitura, a partir das 14 horas. Por volta das 15 horas o procurador geral da prefeitura, Thiago Etges, recebeu a coordenação de greve. Os representantes dos servidores se apresentaram, expuseram as reivindicações e reclamaram da postura antidemocrática do prefeito ao não abrir espaço para negociação.

O procurador reafirmou que a prefeitura não apresentará contra proposta às reivindicações. “Nós não podemos voltar para trás e desfazer o que já está feito. A administração municipal não tem contra proposta”, declarou Etges.

“O governo de Chapecó coloca tudo no passado: foi feito, está decidido, foi comunicado. Isso não é democracia! O reajuste salarial de apenas 5% e incorporação do Vale Alimentação foi uma combinação tão ruim que produziu redução da remuneração líquida para boa parte da categoria e reajuste abaixo da inflação para a maioria”, ressalta a presidente do SITESPM-CHR, professora Vania Barcellos. “Se os trabalhadores fazem greve é porque não estão satisfeitos com o reajuste salarial, e para sair da greve a prefeitura precisa atender as reivindicações da categoria”, acrescentou ela.

Em assembleia no final da tarde, os servidores decidiram continuar a greve na próxima terça-feira (20), se até lá o prefeito Caramori não atender as reivindicações da categoria.

Reivindicações

• 10% de aumento geral ou incorporar R$ 200,00 no vencimento de cada cargo;
• Criar os adicionais por titulação aos servidores (o magistério tem desde 1999);
• R$ 1.001, 64 de vencimento do agente comunitário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 + dezoito =