Paralisação dos servidores das Justiças Eleitoral e Federal

Fonte: ND Online

Os partidos políticos que forem registrar hoje os seus candidatos a prefeito, vice e vereadores poderão ter uma grande surpresa: encontrar o Cartório Eleitoral fechado. Ontem, servidores das Justiças Eleitoral e Federal iniciaram, em vários estados, um movimento para pressionar o Congresso Nacional a aprovar o novo plano de carreira da categoria, que está sem reajuste de salários desde 2003. Ontem à tarde, servidores das Justiças Eleitoral e Federal se concentraram em frente ao Cartório Eleitoral e paralisaram as atividades por duas horas.

O chefe de Cartório Eleitoral de Joinville, Carlos Ricardo Penayo, afirmou que a situação está no limite. “Cansamos de esperar por alguma atitude do governo e também dos deputados. Acreditamos que a greve é a única forma de chamar a atenção das autoridades competentes”, destacou.Ele lembra que a defasagem somente com a reposição supera 36%. Hoje, o movimento grevista aguarda as negociações conduzidas pelo sindicato sediado em Florianópolis para definir se recebem ou não os registros eleitorais.O movimento ocorre na véspera do fim do prazo para registro de candidaturas a prefeito e a vereador nas eleições de outubro deste ano, o que poderá prejudicar os que deixaram essa providência para os últimos dias. Os servidores lutam pela aprovação do projeto de lei 6613/2009, na esperança de reestruturação do plano de carreiras e de reposição de perdas inflacionárias. O plano de carreira atualmente em vigor é de 2004. Nesse período, segundo o comando de greve, a reposição chega a 53%.O projeto se encontra na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados, mas, segundo o movimento grevista, o governo tem mobilizado a base aliada para retardar a análise da proposta.

O salário atual de um analista técnico judiciário (cargo de nível superior) é de R$ 6,5 mil e o do técnico judiciário (cargo de nível médio) é de R$ 3,9 mil. Em Joinville, aderiram à greve 12 servidores do Cartório Eleitoral e 12 da Justiça Eleitora. Eles permaneceram na frente do Cartório Eleitoral na tarde de ontem. O movimento teve adesão dos Estados de Goiás, São Paulo e Paraná.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 + oito =