Exemplo de organização em Florianópolis

Os servidores municipais de Florianópolis encerraram a greve da categoria na sexta-feira (03/4). Após quatro dias de mobilização, que chegou a atingir 90% dos locais de trabalho, a categoria conquistou um reajuste imediato de 4%, mais 1,57% em setembro e 1,31% em fevereiro de 2014.

Além da questão salarial, houve avanços em uma das principais lutas da categoria: a implementação do novo Plano de Cargos Carreira e Salários (PCCS) do setor civil (todos os setores com exceção do magistério). Os servidores pediam o envio à Câmara de Vereadores do projeto de lei do novo PCCS, que foi construído com o acompanhamento do Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Florianópolis (Sintrasem) e já aprovado pelos trabalhadores. Foi estabelecido um prazo até outubro para o envio do projeto ao Legislativo e, como forma de iniciar as modificações, o piso da categoria será reajustado de R$ 678 para R$ 806.

O prefeito César Souza (PSD) também propôs o reajuste no valor da gratificação dos auxiliares de sala, de 20% para 40%, concordou com a realização de concurso para deslocamento interno de servidores, com a eleição livre e direta para a coordenação dos Centros de Referência em Assistência Social (Cras) e dos Centros de Referência Especializada em Assistência Social (Creas), pagamento do vale-alimentação referente a 50 horas para os auxiliares de sala que possuem dois vínculos (hoje eles só recebem por 30 horas), realização de concurso público, regulamentação do sistema de plantões de 24 horas, redução da abrangência de atendimento das equipes de Saúde da Família para 2,5 mil famílias, entre outras reivindicações.

O Sinsej parabeniza os servidores de Florianópolis e convida os trabalhadores da Prefeitura de Joinville a seguirem este exemplo de unidade, organização e luta. Hoje (6/5), às 19 horas, ocorre uma assembleia na Câmara de Vereadores de Joinville para avaliar a resposta da pauta de Reivindicações 2013.

Servidores fizeram quatro dias de greve. Foto: Tiago Duarte
Servidores fizeram quatro dias de greve. Foto: Tiago Duarte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 − 1 =