Servidores conseguem adiar votação

Negociações serão reabertas

Milhares de servidores municipais em greve lotaram hoje (21/5) a Câmara de Vereadores de Joinville (CVJ). A presença deles fez com que um dos parlamentares pedisse um prazo de 24 horas (chamado de vistas) para analisar o projeto que concede reajuste à categoria. Com isso, a matéria só voltará a tramitar amanhã. “Hoje, e só por hoje, podemos ficar tranquilos”, disse o presidente do Sinsej, Ulrich Beathalter.

Durante a tarde, o prefeito Udo Döhler confirmou que irá receber o sindicato amanhã para reabrir as negociações. O encontro deve acontecer no período da manhã, mas o horário ainda não foi confirmado. Diante disso, o sindicato reforça a convocação para o ato que está agendado para esta quarta-feira, às 9 horas, em frente à prefeitura. “Hoje provamos que a unidade, a organização e a luta mudam a história”, disse Ulrich aos grevistas. “Os servidores de Joinville têm se tornado um exemplo para os trabalhadores desta cidade”.

Comissões queriam aprovar projeto

Antes de ser votado em plenário por todos os vereadores, o projeto do reajuste dos servidores precisava ser analisado pelas comissões de Legislação e Finanças da CVJ, que se reuniram hoje à tarde. O parecer do relator, vereador Jaime Evaristo (PSC), foi favorável à aprovação da proposta do Executivo. Porém, o pedido de vistas, feito pelo vereador Odir Nunes (DEM), adiou a decisão final da comissão por 24 horas.

A reunião aconteceu na Sala das Comissões, que tem um espaço pequeno. O presidente da Comissão de Legislação, Maurício Peixer (PSDB), negou que ela fosse realizada no Plenário, onde estavam os trabalhadores. Apesar disso, eles puderam assistir as discussões por meio de um telão.

Peixer defendeu a aprovação do projeto argumentando que hoje seria o último prazo para que a parcela de maio caísse na próxima folha de pagamento. O diretor do Sinsej Jean Almeida rebateu esta afirmação lembrando que já aconteceram situações parecidas e que tudo depende de um entendimento com a Secretaria de Gestão de Pessoas.

Almeida pediu para que os parlamentares interrompessem a tramitação do projeto, pois ele não atende as reivindicações dos servidores. O diretor lembrou que em outra oportunidade os vereadores garantiram que jamais votariam qualquer reajuste ou benefício aos servidores sem a aprovação prévia da categoria. “Aprovando este projeto parece que a Câmara de Vereadores simplesmente homologa as decisões do Executivo, deixando de lado sua independência e impedindo uma discussão democrática até o fim com a categoria”, disse.

Vereador apresenta emendas

No início da sessão foram lidas quatro emendas ao projeto, feitas pelo vereador Adilson Mariano (PT): A primeira, propõe que a reposição da inflação ocorra integralmente em maio; a segunda, um aumento real de 5% parcelado em cinco vezes a partir de julho de 2013; a terceira, o reajuste do vale-alimentação para R$ 300 e a extensão do pagamento a todos os servidores; a quarta, o abono dos dias não trabalhados dos servidores em greve.

Após terem sido lidas em plenário, as emendas também devem ser discutidas nas comissões.

Reivindicação dos servidores da CVJ

Em reunião esta tarde, o presidente da Câmara de Vereadores, João Carlos Gonçalves (PMDB), afirmou que deseja valorizar os servidores da Casa, mas nenhuma resposta concreta foi apresentada. Gonçalves citou, por exemplo, a possibilidade de reajuste do vale-alimentação.

Todos à prefeitura amanhã, ás 9 horas. Foto: Francine Hellmann
Todos à prefeitura amanhã, ás 9 horas. Foto: Francine Hellmann

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze + dez =