Servidores Estaduais rumo à greve geral

Mobilizações seguem até próxima assembleia em 29 de agosto

Escrito por: Assessoria de Imprensa Sintespe – Sílvia Agostini
Fonte: CUT

 

Foto: Lívia Medeiros
Foto: Lívia Medeiros

Dia 10 de junho, o governo de Raimundo Colombo disse que não vai cumprir a lei da Data-Base. As palavras do Secretário da Fazenda Antônio Gavazzoni foram claras: – Estou nesse governo para não cumprir essa lei.

Esta claro para os servidores que as pessoas que estão em primeiro lugar para o governador Colombo são os empresários, seus amigos e colegas. Não são os trabalhadores, que têm seus direitos desrespeitados. Também não é a população catarinense que vê a escola desmoronar, enfrenta as a falta de pessoal e de estrutura na saúde, sofre com a falta de políticas públicas de segurança, de água, saneamento e meio ambiente, infraestrutura, transporte, entre muitas outras.

Ao mesmo tempo em que gasta milhões com serviços terceirizados, deixa de arrecadar R$5 bilhões em impostos em renúncia fiscal – conforme previsão de 2012 financia R$240 milhões via BRDE para a pobre BMW, esse mesmo governo diz que não tem dinheiro e não vai cumprir a Data-Base dos servidores que já contam com 40% de perdas salariais.

Nessa perspectiva, em Assembleia Geral realizada dia 12 de junho, na Assembleia Legislativa de SC, servidores das secretarias, autarquias e fundações decidiram enfrentar esse governo fora da lei com paralisações setoriais, protestos e mobilizações construindo uma GREVE GERAL. Nesse Governo apenas quem lutou, quem paralisou e fez greve, ganhou a luta.

De acordo com o presidente do SINTESPE, Maurino Silva, o remédio pra luta sair vitoriosa já foi receitado: “É greve ou não teremos nada. E a nossa vitória vai depender da vontade política dos trabalhadores nessa mobilização”. A deliberação sobre a GREVE GERAL será em próxima assembleia marcada para dia 29 de agosto.

As palavras proferidas pelos servidores na Assembleia demonstraram indignação quanto ao descaso do Governo Colombo com os trabalhadores que precisam sobreviver com a alta dos preços dos alimentos, vestuário, transporte, menos com aumento dos salários. Alcides Lima, diretor do Sintespe, do Deinfra, diz que o servidor não está pra brincadeira. “Quem está de brincadeira é o governo. Estamos com 35 anos de carreira e esperando os atrasados. Vamos fazer a luta!”.

Os servidores estão dispostos a colocar em xeque a reeleição de Raimundo Colombo ao governo de Santa Catarina, assim como de todos os parlamentares que estão em sua base de apoio.

Nos próximos dois meses, outra ação dos servidores será acompanhar a agenda do governador Colombo, assim como de parlamentares, apresentando pessoalmente a pauta de reivindicações da categoria e denunciando o não cumprimento da lei da Data-Base pelo Governo. Ao mesmo tempo, a diretoria do Sintespe visitará servidores de diversos setores de diferentes regiões do Estado para organizar a GREVE e manifestações locais.

Denúncias – A má gestão dos serviços públicos e o dinheiro mal aplicado nas obras patrocinadas pelo Governo estão na mira da categoria e deve ser denunciadas pelos trabalhadores. O Sindicato está atento e disposto a divulgar as denúncias.

Todos à luta pelo cumprimento da lei da Data-Base – Os servidores exigem o reajuste de 16,67% – proporcionando isonomia com a tabela da saúde; a reposição das perdas; isonomia nas gratificações de produtividade; novo plano de cargos e salários, entre outros itens da pauta de reivindicações.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

quatro × um =