Fundação Cultural discute problemas do setor

Na última terça-feira (4/2), servidores da Fundação Cultural estiveram no sindicato para debater os principais problemas dos seus locais de trabalho. Assim como outros setores, eles reuniram-se antes da assembleia geral, de 27 de fevereiro, para listar o que gostariam que entrasse na Pauta de Reivindicações 2014.

A maior preocupação destes trabalhadores é com a falta de um plano de carreira. Embora os educadores de museus tenham formações de nível superior com licenciatura, eles não pertencem ao quadro do magistério e não podem acessar cursos, pós-graduações, mestrados, entre outros. Esta é uma reivindicação não só da Fundação Cultural, mas de grande parte da categoria. Por isso, um dos itens que o Sinsej considera primordial discutir este ano é a progressão salarial por cursos de graduação ou aperfeiçoamento para todos os servidores.

Já os monitores de museus, cargo com formação em nível médio, reivindicação uma compensação financeira por trabalharem sábados, domingos e feriados.

Veja o calendário de assembleias setoriais com outros setores

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

seis + doze =