Nota de repúdio às afirmações de Udo Döhler

A coluna “Livre Mercado” do jornal A Notícia do dia 11 de dezembro trouxe como nota principal a matéria “‘A Prefeitura é um outro mundo’, diz Udo”. Entre reclamações da crise, o prefeito Udo Döhler faz também a seguinte declaração: “A corrupção é de toda ordem no serviço público, até mesmo onde não percebemos”. Essa frase foi dita durante a reunião do conselho deliberativo da Acij. No dia 17/12, em entrevista ao mesmo jornal, Udo volta a repetir a declaração.

O Sinsej repudia as afirmações do prefeito e avalia como leviana e infundada a acusação de corrupção dos servidores. Mais de 90% dos servidores de carreira estão na educação ou na saúde, trabalhando na ponta do atendimento à população. Tanto nas unidades educacionais, de saúde, assistência social, obras, fundações, etc. A corrupção, caso exista, está nas pessoas autorizadas a manusear o dinheiro público, ou seja, nos comissionados, que possuem os mais altos salários.

Ainda conforme Udo, “ao entrar na Prefeitura, só conhecia 10% do que era o poder público”. Engana-se o prefeito, ao pensar que conhece mais que 10% do que é o poder público atualmente. Se acredita que a corrupção é do trabalhador fica evidente que seu conhecimento é muito menor. A sua lamentação sobre a crise, que usa como escape para negar direitos a esses servidores que ousa chamar de corruptos, demonstra isso. O motivo? Em janeiro de 2016 Udo Döhler irá conceder um adicional de 6% aos seus cargos comissionados. Diz que não tem dinheiro para a cesta da Natal, abono de recesso e licença-prêmio para os servidores de carreira. Para seus cabos eleitorais, porém, nada falta.

O prefeito diz também que “Triste é constatar que os partidos políticos continuam a praticar o clientelismo”. Ao dizer isso, Udo deve ter esquecido que é ele mesmo quem mantém essa prática ao permitir diversas nomeações que não passam de cabos eleitorais. O prefeito se esconde atrás de acusações genéricas em vez de aplicar soluções reais ao que diz combater. Novamente, não tem coragem de tirar dos seus por isso tira do trabalhador responsável por manter os serviços essenciais na cidade e minimizar os problemas que a população enfrenta.

Udo devia envergonhar-se de tais expressões. O Sinsej espera que o prefeito se retrate das acusações feitas e trate com a dignidade merecida todos os trabalhadores públicos de Joinville.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − sete =