Respeito e saúde para o servidor público

Nenhuma atenção à saúde do servidor na Unidade de Saúde
Nenhuma atenção à saúde do servidor na Unidade de Saúde

Os servidores da Prefeitura de Joinville não têm direito de adoecer. Pelo menos é esta a impressão que a atual gestão e a Unidade de Saúde do Servidor (USS) tentam passar aos funcionários. Os casos de trabalhadores doentes se intensificam na rede municipal. As causas são diversas: equipes extremamente reduzidas, sobrecarga de trabalho, falta de Equipamento de Proteção Individual (EPI), assédio moral, entre outras questões.

A USS, que deveria funcionar como ponto de apoio a quem está doente, os trabalhadores são tratados com desrespeito e têm atestados negados. Recentemente, uma servidora da educação procurou a Unidade e recebeu em resposta que “se não aguenta o trabalho é só pedir para sair”.

Em outra situação, no início deste ano, a cozinheira Neiva Schmoller teve atestado negado. Sem poder ficar em pé, o médico da USS definiu que ela deveria permanecer no seu local de trabalho, sentada, com a perna erguida durante a jornada de oito horas. Em outro caso, uma servidora em período de estágio probatório foi ameaçada pelo profissional da USS de que seria prejudicada por apresentar uma carta do médico pessoal restringindo movimentos devido à tendinite.

Estes três relatos representam apenas uma pequena parcela do que acontece diariamente na USS. Tampouco são suficientes para demonstrar a real situação dos servidores nos locais de trabalho. O Sinsej se coloca ao lado dos trabalhadores por melhorias no atendimento à saúde. Se você passou por uma situação de assédio, intimidação ou atestado negado pelo ambulatório, entre em contato com os diretores e o setor jurídico do sindicato. Denuncie e ajude na mobilização.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

sete + 3 =