Abaixo a repressão aos manifestantes em Joinville

O Sinsej manifesta seu repúdio à repressão e às prisões feitas pela Polícia Militar, nesta quarta-feira (22/01), de manifestantes contra o aumento da tarifa de ônibus de Joinville. O sindicato defende incondicionalmente os direitos democráticos de liberdade de expressão e organização. Por isso, está solidário com os jovens que ousaram levantar suas vozes contra a decisão unilateral do governo Udo Döhler ao atender os pedidos de aumento da Gidion e Transtusa.

Cerca de 150 jovens participaram da manifestação que percorreu as ruas do Centro. Durante a passeata, policiais começaram a discutir e intimidar participantes. A cavalaria e um helicóptero Águia foram utilizados para impressionar quem protestava. Além disso, seguranças terceirizados da Prefeitura de Joinville começaram pequenos conflitos.

Depois da manifestação, três manifestantes foram presos ao tentar impedir que a PM retirasse uma manifestante de um ônibus por estar com a bicicleta dentro do veículo. Foram realizadas ações violentas e de intimidação para levá-los à delegacia (Confira os vídeos aqui e aqui). Um termo circunstanciado foi elaborado e foram liberados os detidos.

O Sinsej se soma às organizações que combatem pela unidade para a defesa dos direitos democráticos, assim como chama a frente única para as lutas dos trabalhadores. A repressão dos manifestantes em Joinville não pode ser analisada de forma isolada, pois há um processo de criminalização dos movimentos sociais em andamento no país. Combater cada iniciativa de repressão é fundamental para manter aberta a via da transformação social.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 + quatro =