Prefeitura de Joinville não avança na proposta

A reunião de negociação entre o governo de Joinville e o Sinsej, realizada na tarde de hoje (28/3), terminou sem avanços. O prefeito insiste em manter uma proposta que gera perda salarial. Com o parcelamento oferecido, cada servidor terá um prejuízo no valor aproximado de 70% de um salário. Ou seja, um trabalhador que recebe R$ 1 mil acumulará perdas de cerca de R$ 700 até fevereiro de 2017 – data da última parcela.

Esse posicionamento de Udo Döhler é incoerente com o que ocorre em outras cidades da região.  A maior parte dos municípios já concluiu ou está em vias de encerrar as negociações e garantem a inflação em parcela única ou ganho real. Esse é o caso de Itapoá, onde o prefeito Sergio Aguiar concordou em conceder a inflação parcelada mais 1% de ganho real. A Câmara de Vereadores de Joinville ofereceu a reposição da inflação sem parcelamentos, a ser realizada em maio.

Amanhã (29/3) os servidores de Joinville farão nova assembleia com paralisação, às 9 horas, em frente à Prefeitura. Eles vão definir os próximos encaminhamentos da Campanha Salarial. A participação de todos é fundamental.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × dois =