Prefeito desrespeita o protocolo de tratamento da COVID-19 e exige retorno dos servidores contaminados dentro do prazo de isolamento

As notícias de casos de contaminação por COVID-19 na categoria têm aumentado significativamente e na proporção da irresponsabilidade com que o governo municipal tem enfrentado a pandemia. Os relatos, alguns divulgados pela imprensa, dão conta de casos nas unidades Bakhita, Boehmerwaldt, Costa e Silva, Parque Douat, Petrópolis, Pirabeiraba, Rio da Prata, Itaum e Guanabara, além dos 15 do Centro de Vigilância em Saúde.

Desrespeitando o Protocolo de Manejo Clínico do Coronavírus (Covid-19) expedido pelo Ministério da Saúde que indica “isolamento domiciliar por 14 dias”, o prefeito patrão Udo Dohler ordenou que as servidoras e os servidores diagnosticados com o coronavírus retornem aos locais de trabalho 7 dias após o resultado do exame, prazo que expira amanhã (17). Portanto, além de orientar os colegas de trabalho a não divulgarem o fato para a população, pondo em risco as pessoas atendidas nas UBSs, o governo está obrigando as servidoras e os servidores a trabalharem doentes, colocando a sua vida e a da comunidade em risco.

As decisões tomadas pelos governos estadual e municipal que flexibilizaram o isolamento já apresentam suas graves conseqüências. A reabertura dos estabelecimentos comerciais e a retomada do transporte coletivo, para citar alguns exemplos, fizeram com que os casos sofressem um aumento significativo. Os números oficiais da cidade demonstram o tamanho da irresponsabilidade, passando de 508 casos notificados dia 8 (data da retomada do transporte público) para 708 divulgados ontem pelo governo de Joinville. São 200 famílias a mais a sofrerem pela contaminação da COVID-19. Isso sem contar os casos subnotificados que, conforme o próprio Secretário de Saúde, podem chegar a ser dez vezes maior que o anunciado.

A falta de transparência com os números aumenta ainda mais as suspeitas de que a pandemia na cidade está bem mais grave do que o anunciado. O silêncio do governo diante das diversas tentativas de diálogo feitas pela direção do Sinsej com a Secretaria de Saúde não só configura uma atitude antissindical, como mostra a falta de respeito e comprometimento do governo com a categoria e com a população. Por isso o Sindicato, em mais uma tentativa de diálogo, enviou hoje (16) para a Secretaria de Saúde um ofício em que exige que estas trabalhadoras e estes trabalhadores diagnosticados positivos na semana passada, refaçam os exames antes de retornarem ao trabalho amanhã e orienta que não voltem ao atendimento ao público caso estejam doentes, sob risco de contaminarem seus colegas e a população.

A direção do Sinsej não tem medido esforços em cobrar da prefeitura respostas e ações de prevenção e combate à COVID-19, exigindo informações, transparência, EPIs e testagem constante dos servidores que trabalham nos locais onde houve caso positivo. Também tem redobrado sua disponibilidade em receber as denúncias da categoria, mantendo seus diretores em sistema de plantão através do whatsApp e retomando o atendimento na sede em horário especial. Um serviço público gratuito e de qualidade só é possível com servidores respeitados e valorizados. Nossa luta é por direito, valor e respeito!

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

20 − 4 =