Nenhuma medida judicial irá pôr fim à greve

Somente uma nova e boa proposta da Prefeitura fará os servidores encerrarem a greve I Foto: Johannes Halter
Somente uma nova e boa proposta da Prefeitura fará os servidores encerrarem a greve I Foto: Johannes Halter

Em evidente desespero, a Prefeitura de Joinville recorreu outra vez à Justiça para tentar encerrar a greve dos servidores municipais. Esta atitude mostra a força que a mobilização atingiu. É importante ressaltar que o governo induziu novamente o Judiciário ao erro, na medida em que omitiu documentos e informações.

A nova decisão do Tribunal de Justiça de Santa Catarina foi publicada na tarde de hoje (26/5). Ela é uma complementação da primeira liminar, publicada na quarta-feira (21/5), e determina que todos os servidores de estabelecimentos de saúde, creches e ensino fundamental voltem ao trabalho. Para o Sinsej, esta medida é arbitrária. A suspensão do direito constitucional de greve dos trabalhadores só tem precedentes no período de ditadura militar.

O sindicato vai recorrer da decisão e tomará todas as medidas legais necessárias, indo até a última instância, para garantir a plena continuidade do movimento. Diante disso, a greve segue normalmente.

O Sinsej ressalta ainda que sempre esteve aberto à negociação e que, no momento em que a Prefeitura iniciou a judicialização da greve, havia acabado de solicitar uma reunião sobre a garantia do atendimento essencial à população. O governo, por sua vez, até o momento não apresentou nenhuma nova proposta à categoria e optou por tentar encerrar o movimento com intimidação.

Demonstração disso ocorreu na reunião convocada pelo Conselho Regional de Enfermagem para hoje, com o governo e o sindicato, à qual a Prefeitura não compareceu. O Coren, preocupado com o bem-estar dos servidores, da comunidade e com o respeito ao direito constitucional de greve, sugeriu que o Executivo abra negociação para colocar fim à greve.

O momento agora é de aumentar ainda mais o tamanho do movimento, trazendo para a greve aquele companheiro que ainda está no local de trabalho. É preciso engrossando as panfletagens de rua, a presença na Câmara de Vereadores e os comandos de greve.

Ou nos levantamos contra estas medidas abusivas e arbitrárias da Prefeitura, ou aceitamos o retorno da ditadura.

Confira a programação da greve e participe:

27/05 – Amanhã será um dia destinado aos comandos de greve. Os trabalhadores devem estar no Sinsej, às 7h30, para a organização das equipes. Quem não integrar esta atividade deve ir à Câmara no período da tarde.

28/05 – O próximo ato da greve em frente à Prefeitura será na quarta-feira, às 9 horas. Todos os servidores, mesmo os que ainda não aderiram à greve, estão chamados a participarem de mais esta grande mobilização.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

onze + 11 =