Falta de concurso público coloca o Ipreville em risco

Os 10 anos sem concurso público em Joinville não causaram gargalos apenas em áreas como saúde, educação e segurança, mas também deixa a saúde financeira do Ipreville em risco. Com mais servidores se aposentando do que iniciando a sua vida profissional, o Instituto também corre risco de uma sobrecarga.

Segundo a última atualização do Portal da Transparência, de janeiro deste ano, o Ipreville atende 4902 servidores aposentados. De acordo com a última prestação de contas do Instituto, a média de valores pagos aos aposentados é de cerca de R$ 6310. Já os servidores ativos são 9240, que contribuem mensalmente com o Ipreville. O que a lei trata como exceção (contratados) se tornou a regra e a regra (concursados) se tornou exceção.

Com cada vez menos servidores contribuindo e cada vez mais servidores se aposentando, a conta do Ipreville está perto de ficar um para um, ou seja, o valor pago pelos contribuintes está próximo de não dar conta de pagar os inativos. Isso coloca em risco a aposentadoria de todos os servidores, aposentados ou não.

Sem os concursos, a prefeitura de Joinville tem contratado temporários para exercer as funções que deveriam ser de servidores. Hoje são 3174 profissionais contratados, que não contribuem com o Ipreville.

Além de melhorar as condições do serviço público de Joinville, o concurso é fundamental para manter a saúde financeira do Ipreville e garantir a aposentadoria dos servidores.

Na próxima terça-feira (1), às 19h30, vai acontecer uma audiência pública na Câmara de vereadores para discutir o concurso público 007/2022. A presença dos servidores é fundamental. É preciso cobrar da prefeitura e dos vereadores que Joinville tenha um concurso público amplo o mais rápido possível.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

dez + dezoito =