Sinsej cobra que prefeitura interrompa processo de remoção das cozinheiras

A Secretaria de Educação de Joinville respondeu ao ofício protocolado pelo Sinsej, que questionava o edital de remoção das cozinheiras de seus locais de trabalho. O prefeito Adriano Silva (NOVO) está terceirizando o serviço de cozinha das unidades escolares da cidade e as servidoras que trabalhavam nesses cargos foram obrigadas a pedir transferência para outras unidades. Caso elas não indicassem uma unidade para qual gostariam de ir, a gestão faria a transferência à revelia.

O Sinsej cobrou da prefeitura que mantivesse as servidoras em seus locais de trabalho, uma vez que a transferência poderia acarretar em muitos prejuízos para essas trabalhadoras, muitas das quais estão próximas da aposentadoria. O sindicato também questionou o edital lançado pelo poder executivo para a transferência. Dentre outras irregularidades, o Sinsej considera inconstitucional usar atestado médico como critério de classificação para prioridade de escolha de vagas.

Na resposta enviada pela prefeitura, a justificativa para esse caso é que atestados já foram usados como critérios de desempate no edital de remoção dos professores e auxiliares de educador. Porém, essa é uma prática errada e problemática da administração do prefeito Adriano Silva (NOVO). Indiretamente, ela acaba forçando servidores a trabalharem doentes, pois eles sabem que um atestado pode complicar um futuro pedido de remoção. Além de prejudicar a saúde do trabalhador, essa atitude também afeta a qualidade do serviço prestado à cidade, já que o servidor não está em suas melhores condições.

O sindicato solicitou judicialmente a interrupção do processo até que fossem averiguadas essas irregularidades. Como o judiciário ainda não deu um parecer sobre o caso, o Sinsej solicita que não haja a remoção, que está marcada para esta quinta-feira (14).

Caso a prefeitura insista em manter o processo, o sindicato irá acompanhar a remoção. Em casos de novos desdobramentos, informaremos os servidores da categoria.

One thought on “Sinsej cobra que prefeitura interrompa processo de remoção das cozinheiras

  • 18 de setembro de 2023 em 17:59
    Permalink

    O processo de privatização!
    Visando acelerar o projeto de privatização do serviço público,agora começa a terceirização das cozinhas no ambiente escolar,infelizmente!
    O sinsej deve cobrar através da justiça uma solução para o problema!
    Como diz meu nobre amigo:o Novo veio para destruir o serviço publico e entregá-lo ao setor privado!
    Que o eleitor tome consciência política na hora do voto ao escolher seus representantes políticos!
    Meu amigo continuou; O analfabetismo político como característica de nossa sociedade,não é eterno!
    Fora esquerda nutella que defende reformas no sistema capitalista ,queremos transformações sociais que beneficiem a maioria da população

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

doze + catorze =