HMSJ: Uma visita, várias reclamações

Falta de água

Em visita da direção do Sinsej ao Hospital São José, o diretor Fabrício Machado garantiu o fornecimento de água aos funcionários da unidade. Os servidores relataram durante a última semana o término dos galões de água mineral. Segundo a direção do hospital, foi feita uma compra emergencial que seria entregue até sexta-feira (11/3). Essa é a segunda vez que os servidores têm o abastecimento dos galões comprometido. A direção do São José alega estar buscando formas para evitar que incidentes como esse se repitam. Fabrício afirma que filtros de água estão sendo orçados para o hospital. A compra dos equipamentos dispensaria a necessidade de compra de galões de água mineral.

Superlotação

Na mesma visita, vários funcionários procuraram os diretores do sindicato para contar a situação de superlotação do hospital. A sala que deveria servir para atendimento e medicação está lotada de pessoas em observação. Durante a visita, o Sinsej contabilizou 20 pessoas recebendo tratamento em um ambiente que deveria ser de espera. O local contava apenas com dois técnicos em enfermagem, sendo que o recomendado é um a cada seis pacientes.

Segundo relatos, a superlotação começou após a reorganização dos pacientes em observação na ala do andar inferior. Com a mudança, foram estipulados os locais para 30 vagas masculinas e 20 femininas para observação, qualquer coisa além disso está proibido de descer. O problema apresentado pelos servidores e constatado pelo Sinsej é o represamento dos pacientes que precisariam estar em observação, mas que acabam ficando na sala de medicação. Há uma aparente organização dos corredores da ala inferior, mas na parte superior os pacientes continuam em macas e em locais inapropriados. É uma situação desumana para os trabalhadores e para quem está em atendimento.

Banheiros

São mais reclamações. Há somente um banheiro para os servidores na parte superior. O local fica trancado e os funcionários precisam se deslocar pela unidade para buscar a chaves. Ainda assim, corre-se o risco de encontrar o banheiro em uso. Servidores relataram problemas de saúde devido ao longo tempo sem poder usar o banheiro. Apenas um sanitário é pouco, sem falar no trabalho acumulado que faz com que os servidores precisem conter suas necessidades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × quatro =