Servidores municipais garantem conquistas

Servidores/as Municipais de São José, Criciúma e Xanxerê encerram greve com vitória para os/as trabalhadores/as

Escrito por: Sílvia Medeiros
Fonte: CUT

Manifestação dos servidores de Criciúma
Manifestação dos servidores de Criciúma

Diversos prefeitos/as que assumiram este ano estão alegando falta de dinheiro para fazer o reajuste salarial dos/as servidores/as. No início de 2013, somente em Santa Catarina, os Sindicatos de base Municipal filiados à CUT, o sindicato de Florianópolis, Joinville, Xanxerê, Criciúma e São José entraram em greve. O sindicato de Concórdia fez diversas mobilizações e os/as servidores/as de Blumenau e Corupá estão em estado de greve.

Todos tiveram que se mobilizar para garantir o reajuste mínimo dos/as trabalhadores/as, alguns já obtiveram vitória e outros continuam na negociação com os prefeitos.

União dos/as servidores/as garante avanços – Em São José, dia 07 de junho, depois de 18 dias parados, os servidores/as aceitaram a proposta do governo municipal e encerraram a greve. Conseguiram conquistas importantes para a categoria como: aumento do piso salarial em 19%, chegando a R$806 para uma jornada de 40 horas; aumento salarial de 7,16%, reajuste parcelado em três vezes com pagamento de 4% retroativo a maio, 2% em agosto e 1,16% em outubro; aumento do vale alimentação em 26%, com aumento do teto de quem tem direito de receber este auxílio (passou de R$3.768 para R$4.250), abono dos dias parados e também a liberação de mais dois servidores/as para trabalhar no sindicato (atualmente o Sindicato conta com apenas três dirigentes).

De acordo com Jumeri Zanetti, presidenta do Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de São José – SINTRAM, houve um grande avanço em relação à primeira proposta apresentada pela Prefeita de São José Adeliana Dal Pont. “Conseguimos reverter dos 4% oferecido pela prefeita para 7,16% e mais um aumento considerável no vale alimentação”, ressaltou Jumeri que destaca como principal conquista dos servidores municipais de São José, a união da categoria nestes 18 dias de greve.

Avanço nas pautas históricas dos/as servidores/as – Aumento de 9%, parcelado em duas vezes (8% retroativo a abril e 1% para janeiro de 2014), aumento do vale alimentação de R$78 para R$90 reais, aumento do menor piso em 14% (passando de R$678 para R$714), abono dos dias parados, aumento do piso salarial dos agentes de saúde de R$678 para R$850, aumento do reajuste salarial do magistério acima do reajuste nacional e conquista de Licença Maternidade de 180 dias. Estas foram as principais conquistas da greve dos/as servidores/as de Criciúma, que começou dia 04 de junho e encerrou no sábado dia 08.

Quase 100% dos locais de trabalho foram fechados, conforme definição do comando de greve, apenas os espaços que tratam sobre saúde emergencial como os postos de saúde 24 horas e os locais de atendimento a doenças infectocontagiosas permaneceram abertos.

De acordo com Adonai Teixeira, dirigente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Criciúma e Região – Siserp e membro do Comando de Greve, uma das principais conquistas foram a licença maternidade de 180 dias e o reajuste do Piso dos/as Agentes de Saúde “Sabemos que o Governo Federal repassa a quantia de R$950 para pagar o salário dos Agentes, mas diversas prefeituras não repassam esse valor para o/a trabalhador/a e utiliza o restante do dinheiro para pagar os encargos e outras despesas do setor da saúde. Conseguimos, com esta greve avançar de um salário de R$678 para R$850”.

Ele completa “Conseguimos arrancar esta vitória com a mobilização de cada servidor que se envolveu com a luta. Vencemos a batalha, mas não vencemos a guerra, avançamos em diversos pontos, mas vamos continuar mobilizados/as, sempre em busca de melhores condições de trabalho e melhores remunerações a todos/as os/as servidores/as”, destacou Adonai.

Conquista de direitos – Os/as servidores/as de Xanxerê, uma das principais cidades do Oeste catarinense, também paralisaram suas atividades. Foram cinco dias de greve para cobrar do prefeito Ademir Gasprini um reajuste adequado aos/as servidores/as.

Depois de intensa negociação e mobilização, o prefeito apresentou uma proposta. Após ser avaliada pela maioria dos, a proposta foi aceita, pondo fim a greve. Foram destacados como grandes conquistas o reajuste salarial de 6,77% numa única parcela que acontecerá em setembro deste ano, abono dos dias parados e a criação do Auxílio Alimentação no valor de R$100.

De acordo com Lizeu Mazzioni, presidente da Federação dos Trabalhadores Municipais de Santa Catarina – Fetram, em todas as greves os/as servidores/as conseguiram conquistar o reajuste da inflação e também agregaram outras conquistas históricas da pauta dos servidores públicos municipais “As últimas greves produziram um saldo positivo, todas conseguiram através da mobilização e da luta repor a inflação e ainda conquistar direitos para os/as trabalhadores/as”, ressaltou Lizeu.

Lizeu destacou ainda que os sindicatos filiados à CUT e a Fetram não têm aceitado as desculpas dos prefeitos sobre o limite prudencial e a falta de dinheiro “Nenhum sindicato tem aceitado reajuste abaixo da inflação. Todos estão com capacidade de negociar e buscar os melhores resultados para os servidores. Todas essas greves nos comprovam que quando a categoria decide pela mobilização, ela consegue bons resultados!”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × quatro =