Impaciência para discutir projetos da terceirização

Prefeito preferiu não tocar no assunto dos projetos polêmicos em tramitação na Câmara | Foto: Johannes Halter
Prefeito preferiu não tocar no assunto dos projetos polêmicos em tramitação na Câmara | Foto: Johannes Halter

Nesta quinta-feira (17/4), o Sinsej esteve reunido com o prefeito Udo Döhler (PMDB). Além de discutir a Campanha Salarial 2014, os diretores sindicais pediram para conversar sobre os projetos da terceirização, tramitando em regime de urgência na Câmara de Vereadores. Apesar da disposição do sindicato, o chefe do Executivo não quis tocar no assunto e respondeu: “Boa páscoa para todos!”

O presidente do Sinsej, Ulrich Beathalter, alegou ser importante debater o assunto antes de terça-feira, quando os projetos devem ser colocados em votação. Ele destacou ser desnecessário um embate com os servidores, se a Prefeitura atender os itens cobrados pela categoria. São eles:

1. Como se trata de uma medida emergencial, a Prefeitura deve garantir ser apenas por seis meses o prazo do credenciamento do convênio (Item já atendido);

2. A administração municipal deve garantir que não irá alterar a escala de trabalho dos médicos efetivos e admitidos em caráter temporário;

3. O prefeito Udo Döhler deve assumir o compromisso, por escrito, de realizar concurso público em prazo determinado;

4. O poder Executivo deve abrir, imediatamente, negociação com os servidores sobre o projeto 09/2014, que não tramita em regime de urgência;

Ao que tudo indica, na terça-feira (22/4) a Câmara realizará todas as reuniões de comissões pelas quais os projetos 66/2014 e 67/2014 precisam passar e os colocará em apreciação na sessão. O Sinsej convoca todos os servidores a comparecerem na sede do Legislativo, a partir das 14 horas, para impedir a votação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 + seis =