Campanha “Saúde para o Servidor Público”

O Sinsej lança hoje (6/2) a campanha “Saúde para o Servidor Público”. Frequentemente, o sindicato recebe reclamações dos servidores municipais de Joinville sobre casos de assédio moral. Em especial, sobre o tratamento recebido no ambulatório municipal – no ano passado a Prefeitura criou uma instrução normativa dando poder aos seus peritos de rejeitar atestados de outros profissionais. Aliado a isso, em janeiro deste ano, meios de comunicação do estado divulgaram matérias que falavam de fraude nos atestados concedidos.

É importante lembrar ainda que empresas do porte da Prefeitura – com 12,5 mil funcionários – costumam oferecer acompanhamento médico aos trabalhadores. O que não acontece no setor público municipal.

A realidade dos atestados

Uma prática deste governo é o assédio moral. Junto à falta de estrutura dos locais de trabalho, a perseguição praticada pelas chefias leva ainda mais servidores ao adoecimento.  Segundo as matérias, divulgadas em janeiro, 8% dos servidores foram afastados em 2016 por motivo de doença. As reportagens alegaram também que no serviço privado há uma média de 2% afastamentos. Entretanto, em nenhum momento os meios de comunicação informaram a fonte desses percentuais.

Além disso, faltou ainda esclarecer a qual ramo esses 2% se referem. De acordo com o Ministério Público do Trabalho (MPT), em alguns setores da iniciativa privada de Santa Catarina o número de afastamentos é muito maior. Entre eles, frigoríficos, setores de confecção, de construção civil e transporte de carga rodoviária. O estudo do MPT apontou ainda que Santa Catarina tem um “índice 48% superior à média nacional dos acidentes de trabalho”. Joinville é a maior cidade do estado, com um grande número de indústrias. De que forma seria a cidade exceção?

A imprensa alegou ainda que quatro processos investigam servidores sob suspeita de apresentação de atestados falsos. Outros seis funcionários da Prefeitura respondem por que estavam em licença médica e foram flagrados fazendo outra atividade. É preciso esclarecer que esses casos passam por Processo Administrativo Disciplinar (PAD) e representam um número ínfimo diante do tamanho da categoria.

Outro dado não abordado nas matérias é que o Sinsej precisou entrar com 30 ações na Justiça para conceder afastamentos negados pelo ambulatório. Destas, 25 tiveram liminares colocando o servidor de licença de saúde logo no início do processo. Ou seja, além do pequeno número de trabalhadores em atestado, a Prefeitura se nega a conceder o direito legal de tratamento.

Dever da Prefeitura

Em vez de divulgar na mídia dados tendenciosos sobre seus funcionários, a Prefeitura deveria investir na saúde, evitando o adoecimento do trabalhador. A precariedade dos locais de trabalho, o excesso de serviço, a falta de materiais e a constante pressão das chefias precisam ser eliminados.

Sem contar que as tentativas de desvalorizar e desmoralizar o servidor demonstram ausência de preocupação do governo com os serviços públicos. Não é o servidor responsável pelo atendimento diário à população? Como fará isso de maneira eficiente se estiver doente?

Participe da campanha. Lute contra os desmandos do governo. Informe ao sindicato casos de assédio, abuso ou atestados negados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 + dezenove =