Denúncia: servidores do Hospital São José trabalham em prédio condenado

Os servidores do Hospital São José estão sendo obrigados a trabalhar em um local interditado desde 2020. O prédio que abriga a Central de Abastecimento de Materiais (CAME) e a Central de Abastecimento Farmacêutico (CAF) está condenado e oferece risco aos funcionários que lá trabalham.

De acordo com o laudo elaborado por uma empresa de engenharia civil contratada pela própria prefeitura, existe o risco de incêndio no local, que já sofre com goteiras e infiltrações há mais de dez anos. No documento ainda há a recomendação para o imediato desligamento da energia elétrica, já que há riscos de explosão. O laudo técnico deixa claro a gravidade da situação: “Pela instalação elétrica sobreposta na estrutura de madeira, infiltrações e em caso de incêndio, cabe ressaltar o tanque criogênico de oxigênio, e a tubulação de cobre que alimenta o hospital com oxigênio, potencializando os riscos aos pacientes e servidores”, descreve o documento.

O prédio já tem mais de 60 anos e servia como lavanderia até os serviços serem terceirizados. Segundo relatos de funcionários, o local sofre com problemas estruturais há anos. Panos são pendurados na prateleira para direcionar a água da chuva para baldes no chão e no segundo piso, onde materiais médicos são armazenados, ainda servem de ninhos para pombos e criadouro de insetos. Essa edificação está sendo usada desde 2010, pois o prédio antigo corria risco de desabamento, o que veio a ocorrer em 2014.

Os funcionários afirmam que há uma tentativa de mudança de local para esses dois setores, mas o novo local não comporta o almoxarifado e a farmácia. Por isso, foi necessária a locação de contêineres e galpão para armazenamento dos materiais de expediente e material médico.

A vigilância sanitária em uma das visitas de inspeção no Hospital São José recomendou que os materiais médicos fossem separados dos materiais de expediente, limpeza e saneantes. Agora, o hospital pretende armazenar tudo no mesmo local devido à falta de planejamento da área de logística para um prédio adequado.

O Sinsej sabe que um novo prédio está em construção ao lado do prédio principal do Hospital São José, porém essa edificação não conseguirá absorver o volume de materiais necessários para o funcionamento do hospital. Isso se esse novo prédio realmente for utilizado para esse fim. Diante da situação, o sindicato cobra que os servidores sejam imediatamente realocados em lugares seguros e que o prédio seja desativado para que a situação se resolva.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

onze − 11 =