Sinsej repudia o assédio público e generalizado praticado pela Prefeitura de Joinville

O Sinsej vem a público repudiar o assédio moral praticado pela Prefeitura de Joinville. Como forma de coação, o governo de Udo Döhler chega ao extremo de usar a mídia tradicional para ameaçar os trabalhadores com descontos aos que paralisaram suas atividades no dia 7 de junho.

E Udo vai além, intensificando o assédio por meio das chefias imediatas. Hoje (8/6), várias chefias constrangeram os servidores exigindo que assinassem um documento concordando com o desconto do dia paralisado.

Essas práticas são absurdas e demonstram o descontrole da gestão. O dia estava abonado, compromisso do prefeito em mesa de negociação. Como não aconteceu o que ele queria – o fim da campanha salarial – Udo rasga seu compromisso e volta à rotina de ameaças. O desconto só vai acontecer se a categoria aceitar toda essa carga de assédio.

A saída dos servidores é fazer uma grande paralisação no dia 15 de junho, às 9 horas, em frente à Prefeitura e deflagrar uma greve geral por tempo indeterminado.

À luta, sem temer essas ameaças do governo.

 

*Atualizado em 8 de junho, às 16h40.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

20 + nove =