Reunião na CVJ elenca perguntas e hipóteses para guiar auditoria no Ipreville

Sinsej exige retirada ou suspensão dos três projetos de reforma da Previdência

Em reunião na Câmara de Vereadores de Joinville, na tarde dessa quarta-feira (27), diretoras do Sinsej juntamente com auditores fiscais e procuradores do município elencaram um rol de perguntas e hipóteses para guiar o atuário a ser contratado para realizar auditoria nas contas do Ipreville. Participaram também da reunião, agendada na última terça-feira (25), os vereadores Ana Lúcia Martins e Neto Petters e assessores. A partir desse escopo de trabalho, serão feitos orçamentos com três atuários nos próximos dias.

A partir de várias exposições e questionamentos dos participantes, uma coisa é certa: uma nova auditoria é imprescindível. Há números e valores nas contas que devem ser elucidados, desde a separação nos cálculos dos servidores que devem ser pagos pelo tesouro, é preciso saber o quanto juros e amortizações dos parcelamentos da cota patronal implicam no suposto déficit, entre outras questões importantes.

A defesa da suspensão da tramitação dos três projetos referentes à reforma foi feita tanto pela presidenta do Sinsej, Jane Becker, a assessora jurídica da entidade, Andreia Indalencio Rochi, a vereadora Ana Lucia, pela auditora fiscal Arli Zimpel – presidente da Associação dos auditores fiscais de Joinville – e auditora Cristiane Stolle. Para Jane, dar andamento ao projeto que permite o aumento da idade mínima do servidor para a aposentadoria na Lei Orgânica do Município é perigoso para a categoria e dá a chance de o servidor nunca conseguir se aposentar. De acordo com a advogada, essa decisão dos vereadores é incoerente, de forma que a Proposta de Emenda à Lei Orgânica 003/2021 está totalmente vinculada ao Projeto de Lei Complementar 008/2021.

O Sinsej deixou claro que se compromete a pagar essa auditoria somente com a suspensão ou retirada dos projetos de tramitação no Legislativo.
Jane ainda alertou que esses projetos do prefeito Adriano são ideológicos e são um projeto político do prefeito. O chefe do Executivo e a base governista na Câmara querem transformar o servidor em problema para a população, mesmo no momento em que esses profissionais se mostram cada vez mais necessários para ela e precisam de valorização.

Luta pela aposentadoria deve ser ampliada

A luta em defesa da aposentadoria está forte, mas ainda é preciso ampliá-la. Por isso, que toda a categoria deve estar presente à Assembleia Geral de terça-feira, dia 1º, às 8h30, em frente à Câmara de Vereadores. Somente com luta organizada e mobilização venceremos essas propostas que impedem servidoras e servidores de se aposentar.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

4 × quatro =