Denúncia de corrupção no governo Adriano: partido Novo, velhas práticas

Na noite de terça-feira (15), vereadores de Joinville expuseram ao Plenário da Câmara Municipal uma denúncia sobre supostos interesses particulares do Secretário de Infraestrutura Jorge Luiz Correa de Sá alheios ao bem público acerca do fechamento e venda do terreno da fábrica de tubos e usina de asfalto do município. Conforme a denúncia anônima que envolve trechos em áudio de uma reunião do Secretário com pessoas não identificadas, Sá se apresenta como corretor de imóveis e se dispõe a vender o terreno da fábrica que pertence ao Ipreville pois, segundo ele, são terras bastante cobiçadas e interessam muito ao setor de incorporação imobiliária. Nas gravações, Sá ainda lembra que condicionou sua nomeação como Secretário municipal à sua permanência na diretoria do Sindicato Indústria Construção Civil de Joinville (SINDUSCON) e presidência da Serviço Social da Indústria da Construção Civil – Joinville (SECONCI) e ainda comenta que estaria “muito afinado com o Sr. Guilherme (Casali)”, para ser o corretor do Ipreville (Instituto de Previdência dos Servidores Públicos de Joinville).

Embora a notícia tenha caído como uma bomba no Legislativo e Executivo, a direção do Sinsej sempre alertou os servidores e a população sobre os riscos que o sucateamento e  privatização acarretam aos serviços públicos, como também sobre a falsa ideia da “nova política” que o partido Novo diz fazer. O que ocorre é que o prefeito Adriano Silva (Novo), seus correligionários e secretários querem administrar a cidade como se fosse uma empresa, à base de lucros para os empresários e desvirtuando o papel do bem público para os joinvilenses.

Já no ano passado, no início da gestão de Adriano Silva (Novo), quando a prefeitura anunciou a intenção do fechamento da fábrica de tubos, o Sinsej, junto aos servidores, manifestou-se contra, lutou pela sua continuidade, melhorias das condições de trabalho e destacou a importância de o município ter produção própria do asfalto e dos tubos, a um custo bem menor aos cofres públicos.

O Ipreville é dos servidores

Esse fato em que o presidente do Ipreville, Guilherme Casali é citado, traz à tona, mais uma vez, a necessidade de uma CPI – já solicitada pelo Sindicato – que investigue as supostas irregularidades e puna os responsáveis pela má gestão do fundo previdenciário e dos bens imóveis do Instituto, já pontuadas na auditoria independente. Além do mais, demonstra o quanto é urgente e necessária a eleição direta à presidência do Instituto, que é um bem dos servidores e não dos prefeitos.

Sindicato quer uso da tribuna na CVJ

Nesta manhã, o Sinsej solicitou por meio de ofício o direito à palavra livre desta quarta-feira (16)na tribuna, na sessão do Legislativo que inicia às 17 horas, e convoca toda a categoria que defende o serviço público e a transparência a se fazer presente e lutar pelo Ipreville e contra as privatizações.

Assista a seguir vídeo da presidenta do Sinsej, Jane Becker, que comenta o assunto e convida categoria a se fazer presente na CVJ, nesta quarta-feira (16) às 17 horas, em luta na defesa do serviço público e do Ipreville.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

19 − dez =