Adriano Silva optou por não valorizar os servidores

A Campanha Salarial terminou e o governo Adriano Silva (Novo) mostrou de todas as formas que não valoriza o servidor público de Joinville. Mesmo após o sindicato provar que era possível dar um reajuste maior do que os 3,13% proposto pelo executivo, o prefeito escolheu não valorizar os servidores da cidade.

A desculpa esfarrapada da prefeitura era de que não poderia conceder mais do que os 3,13% por conta da lei eleitoral. É mais uma mentira de Adriano Silva (Novo). O Sinsej apresentou diversas provas de que até a primeira semana de abril o prefeito poderia ter concedido o reajuste com ganho real para a categoria. Apresentamos diversos exemplos de cidades catarinenses que fizeram isso. Florianópolis, inclusive, incluiu o Tribunal de Contas e o Ministério Público nas negociações. Quando existe vontade de valorizar o trabalhador, o gestor busca maneiras de viabilizar esse desejo. Não foi o caso de Adriano Silva (Novo). Desde o início da Campanha Salarial ele tratou o servidor com desrespeito.

Primeiro, se negou a abrir mesa de negociação. Como forma de pressioná-lo, a direção do Sinsej acampou em frente a prefeitura e conseguiu ser recebida por representantes da gestão. Nessas reuniões foram apresentados os exemplos de outros municípios, nem como o pedido para que Joinville seguisse o exemplo da capital e incluísse Ministério Público e Tribunal de Contas na conversa, afim de dar respaldo a uma decisão do município de aumentar o reajuste. A prefeitura prometeu analisar as solicitações e dar um retorno para a categoria. Mais uma mentira, isso nunca aconteceu.

O Sinsej fez o que esteve ao seu alcance para buscar a valorização merecida pelo servidor. Não só salarial, mas também dos outros pontos da pauta de reivindicações. Mas Adriano Silva (Novo) optou por ignorar o servidor. Esse mesmo servidor que está sobrecarregado nos postos de saúde, nas escolas, nas ruas e repartições do município. Adriano Silva (Novo) ignorou os trabalhadores da cidade como tem ignorado as pessoas que estão nas filas dos hospitais e postos de saúde durante a crise da dengue. Para essa gestão, trabalhador sobrecarregado e população sofrendo em fila de espera não é problema.

Com seu plano de terceirizações a todo vapor, Adriano Silva (Novo) ignora os servidores, mas não será ignorado por eles. O Sinsej continuará lutando pelos direitos dos trabalhadores em defesa de um serviço público, gratuito e de qualidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

2 + dois =