Câmara de Joinville não cumpre todo o acordo

A Campanha Salarial dos servidores da Câmara de Joinville se encerra sem que o presidente da Casa, Rodrigo Fachini, tenha cumprido todos os acordos prometidos. Ele irá repor a inflação em parcela única no mês de maio, data-base da categoria. Porém, voltou atrás na promessa de atualização dos valores referentes à ajuda de custo para capacitação.

Os servidores que hoje recebem R$ 200 passariam a ganhar R$ 414 para pós-graduação e R$ 468 para cursos de mestrado. O projeto de lei foi discutido na Comissão de Legislação, formada por pelos vereadores Maurício Peixer, que é presidente e relator, Claudio Aragão, James Schroeder, Manoel Francisco Bento e Sidney Sabel, e rejeitado sob a desculpa de que a presidência da Casa não havia discutido com os mesmos.

Para as outras reivindicações, Fachini respondeu que seguiria o exemplo da Prefeitura. Ele usou para isso o mesmo discurso do prefeito Udo Döhler: “o problema é a crise”. Ao contrário do que afirma Rodrigo Fachini, dinheiro não é um problema para o Legislativo. Além disso, o comprometimento da folha de pagamento está longe de atingir o limite prudencial.

“Fachini faz uma escolha política ao negar aos trabalhadores a possibilidade de reparar perdas salariais históricas”, disse o diretor de comunicação do Sinsej, João Batista Verardo.

Texto editado em 18/04/2016 às 13h55

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 + treze =