OPINIÃO: O desastre das terceirizações em Joinville

 

O chamado NEOLIBERALISMO apostou as fichas na diminuição do Estado com a política de PRIVATIZAÇÃO. O objetivo era desmontar o ESTADO de BEM ESTAR SOCIAL que garantia uma vida digna mínima e inclusiva aos mais pobres. Como palavra de ordem, “cada um por si e Deus por todos”, porém, após décadas, o resultado foi o colapso da economia mundial que ainda não conseguiu se recuperar.

No Brasil, temos o Partido Novo como uma faísca atrasada que defende a política neoliberal de “PRIVATIZAR TUDO”. Porém, foram rechaçados nacionalmente e reduziram a bancada federal na última eleição, de 8 para 3 deputados. Mesmo se tornando um partido pífio que deve se extinguir até a próxima eleição, seu prefeito de Joinville, Adriano Silva, continua a teimar nessa política insana de entregar todo o serviço público para seus amigos empresários.

As TERCEIRIZAÇÕES em curso já abocanharam diferentes setores e não param. A merenda escolar foi um desatino com problemas ainda não resolvidos, casos de alimentos vencidos e jogados fora, de sujeira com chorume em cozinhas escolares, de cozinheiras da terceirizada que abandonam o serviço porque não dão conta, entre outros.

O setor que o prefeito vem sucateando e pretende entregar às Organizações Sociais (OS) é a gestão da saúde pública. De forma acintosa, Diego Machado (PSDB), presidente da Câmara de Vereadores, num discurso no plenário, deixou claro que não vê a hora de passar o Hospital São José para o controle de uma OS. Então, o prefeito e o presidente da Câmara estão mancomunados e aguardando a hora certa para tentar aprovar o desastre na saúde.

Um estudo minucioso do Ministério Público e da Polícia Federal, em 2019, constatou que as Organizações Sociais são um terreno fértil para a CORRUPÇÃO com desvio de dinheiro público para caixa dois de campanhas eleitorais. Chegaram a dizer que se havia OS que não foi pega na corrupção, é porque, provavelmente, não foi bem investigada. Basta digitar no Google as palavras chaves OS e Corrupção pra acessar aos inúmeros casos escandalosos. Então, como explicar a defesa tão contundente das terceirizações de nosso alcaide Adriano Silva e do presidente Diego Machado?

Em São Paulo, após uma semana sem energia, os paulistanos se insurgiram contra as privatizações. O preço foi caro. Ficaram sem luz, sem banho quente, e alimentos estragaram. Daí cabe refletir, privatizar/terceirizar hospital e UPAS vai precarizar o atendimento sobre o que há de mais importante para o ser humano: a vida. Depois não adianta reclamar.

Fora isso, essa voracidade por terceirização do prefeito Adriano vai inviabilizar a aposentadoria dos servidores. Quanto mais contratados e menos concursados, maior será o DÉFICIT da previdência e menores as chances de uma vida tranquila no futuro.

Artigo publicado originalmente no Chuville no dia 4 de dezembro de 2023

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

nove + 14 =