Serviço Público pra quê? por Jane Becker

Artigo originalmente publicado no portal Chuville

O prefeito Adriano Silva (NOVO) não se cansa de tentar impor a retrógrada e nefasta política neoliberal de destruição dos serviços públicos em seu desgoverno, seja na merenda escolar, nas tentativas de terceirização do Hospital São José e das UPA’s. O novo alvo dessa arma lesiva é a educação infantil. O mal que ele prepara flerta com o CAOS e se não houver reação social, será sentido de forma muito dura pelo povo trabalhador de Joinville, além de vermos a sangria de dinheiro público ir para o ralo da CORRUPÇÃO.

O serviço público foi conquistado e arrancado as duras penas pela luta de classes desde o século XIX, como o salário indireto aos trabalhadores que são o sangue e o motor da engrenagem econômica e social. Por isso, é inadmissível que deixemos um filhote de burguês, que nasceu em “berço de ouro”, destruir tudo aquilo que é conquista da classe trabalhadora.

A máxima do Partido Novo é PRIVATIZAR TUDO, passando a gestão pública para seus amigos burgueses sugarem como parasitas o salário indireto que o povo trabalhador deixará de ter com a educação, saúde, água e esgoto, energia e segurança. É notório que os serviços públicos privatizados ou terceirizados têm gerado colapso social.

Basta ver o exemplo da privatização da energia elétrica em São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre. Isso ocorre porque o objetivo das concessionárias é o LUCRO e não o atendimento das necessidades do pagador de impostos, o povo. Demite-se milhares de trabalhadores para reduzir custos das empresas privadas que assumem a concessão e os serviços públicos ficam refém de interesses particulares daninhos.

Todo tipo de falcatrua ocorre para burlar a fiscalização. Montanhas da riqueza social oriundas do pagamento de impostos são desviados para caixa dois de campanha eleitoral e para enriquecimento ilícito.

O motor desse mecanismo são as ORGANIZAÇÕES SOCIAIS (OS). Quem faz esse apontamento é o Conselho Nacional do Ministério Púbico, que dissecou as maracutaias promovidas pelas OS’s em todo o Brasil em um estudo realizado em 2019.

Mas o prefeito Adriano Silva (NOVO), bem como o presidente da Câmara de Vereadores, Diego Machado (PSDB), fazem de conta que não sabem de nada e apostam todas as fichas na entrega da gestão pública para um modelo de farta CORRUPÇÃO. Não é preciso nenhum esforço mental para entender o que tem por trás das cortinas dessa decisão.

De nossa parte, vamos continuar denunciando e mobilizando os movimentos sociais, partidos políticos e a sociedade civil organizada para se insurgirem contra o intento do prefeito.

Mas se Adriano Silva (NOVO) e o vereador Diego Machado (PSDB) persistirem nessa toada de terceirizar a educação e saúde para OS, vamos envidar todos os esforços de conscientização e mobilização dos servidores públicos para uma possível paralização e, a GREVE como última instância de convencimento para o prefeito recuar no seu projeto de destruição dos serviços públicos. BASTA!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

4 × 1 =